Buscar
  • Márcia Martins

MALHA FERROVIÁRIA

“Investir em ferrovia vai acelerar produção e desenvolvimento de Mato Grosso”, avalia Max Russi


Cumprindo agenda no Paiaguás, presidente da Assembleia Legislativa participou do lançamento do edital público para construção de ferrovia estadual. Parlamentar defende expansão da Ferronorte com ramal em Cuiabá


O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Max Russi (PSB), participou, na segunda-feira (19), de reunião com o governador Mauro Mendes (DEM), no Palácio Paiaguás, para avaliação da apresentação de um edital público para construção de ferrovia estadual que vai ligar os municípios de Rondonópolis à capital Cuiabá e às cidades de Lucas do Rio Verde e Nova Mutum, no norte do estado por meio de dois ramais.


Max, que esteve presente na assinatura da ordem de serviço para a elaboração de projetos e execução do Contorno Norte de Cuiabá e Várzea Grande, no sábado (17), com a presença do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, onde foi garantido o início dos serviços para a elaboração de projetos e execução da obra conhecida como rodoanel, aproveitou a oportunidade para pedir que o governo federal agilize a chegada dos trilhos da Ferrovia Senador Vicente Vuolo, a Ferronorte, até Cuiabá - para impulsionar o desenvolvimento logístico de Mato Grosso. “Quando melhoramos a logística de nosso estado, damos condições ao nosso produtor, aprimoramos a balança comercial do país e damos melhores condições de vida ao nosso povo”, justificou o parlamentar, que ainda no sábado cobrou do ministro Tarcísio mais agilidade do governo federal para a conclusão da Ferronorte. “Ele nos garantiu que em agosto deste ano as obras terão início. Precisamos nos conectar aos grandes centros”, avaliou.


A Rumo, empresa responsável pela concessão da ferrovia federal que liga Rondonópolis ao porto de Santos (SP), já manifestou interesse no projeto que envolve um trajeto de cerca de 730 quilômetros.


Segundo o governo mato-grossense, o projeto tem previsão de ser concluído em sete anos e deve envolver investimentos da ordem de 12 bilhões de reais. A licitação usará o modelo de regime privado, por meio do qual o investidor assume todo o risco do projeto. A concessão terá prazo de 45 anos de operação.


Hoje, a concessão da ferrovia que liga Sudeste e Centro-Oeste é da Rumo Logística. São 755 km de extensão, passando pelos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, ligando Santa Fé do Sul (SP) à Rondonópolis. Desde 2020, a Rumo vinha indicando interesse em participar de uma extensão da malha ferroviária em Mato Grosso, para interligar regiões do estado à malha federal.


O presidente Max Russi reforçou a parceria integral do Parlamento às ações de melhorias das estradas mato-grossenses e assegurou recursos da ALMT como complemento do aporte financeiro para a efetivação das obras de infraestrutura. Parabenizou a união entre os poderes e ressaltou que o estado é o principal produtor de soja no país e primeiro na produção de grãos. “Investimentos na infraestrutura de ferrovias são essenciais para baixar custos de produtos e aumentar as exportações nacionais”, concluiu o presidente da Assembleia.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo